Eu havia acabado de me mudar. Apartamento novo, vida nova, mas ainda estava uma bagunça e a geladeira vazia. Na falta de opção pensei em fazer um bolo. Separei os ingredientes necessários até que percebi que falt aria leite e açúcar. Pensei em pedir para algum vizinho, mas eu não conhecia ninguém ainda. De repente me veio na cabeça aquele vizinho simpático com quem eu encontrava todo dia no elevador e morava no apartamento da frente.

Além de simpático, muito lindo, com uma boca maravilhosa e uma cara de safado que era encantadora. Vesti uma roupa apresentável e um decote que valorizava minhas curvas. Não custava nada tentar chamar a atenção.

Estranhamente senti um frio na barriga enquanto me dirigia em direção à porta dele. Como uma criança que está aprontando. Toquei a campainha e aguardei. Estava quase desistindo quando ele atendeu. Sem camisa e de bermuda, eu quase caí pra trás. Ele era uma delícia. Analisou bem meu decote, me comeu com os olhos e me cumprimentou. Perguntei se por um acaso ele não teria leite e alúcar para me emprestar pra fazer o bolo. Respondeu que sim e me convidou para entrar. Fechou a porta. Eu mal tive tempo de agradecer a gentileza e ele me puxou para a sala, me segurou pelos cabelos e me beijou. Uma pegada forte, deliciosa.

Fez eu me abaixar ainda me segurando pelos cabelos, e sem dizer nada desabotoou a bermuda, que já marcava e entregava seu pau duro. A bermuda caiu a seus pés revelando uma boxer branca muito bem recheada. Fiquei com água na boca, mordi os lábios e olhei em seus olhos. Ele me mandou chupar, e disse que então me daria exatamente o que eu precisava.

Passei os dentes levemente na base do seu pau por cima da cueca mesmo. Ouvi um suspiro. Subi passando de leve meus dentes e minha língua pelo abdomen dele, e fui abaixando sua cueca. Segurei firme em seu pau e lambi desde a base até a cabeça. Ele segurou firme nos meus cabelos, pra eu não desistir do que estava fazendo. Abocanhei a cabeça, chupei, deixei bem molhada e aos poucos fui colocando seu pau quase inteiro na boca. Indo e voltando, usando a língua e minhas mãos para ajudar. Continuei com as mãos no seu pau e desci me dedicar aos testículos Devagar passei a língua e consegui colocar um na boca, depois o outro, um de cada vez. Subi passando a língua por toda a extensão do pau dele novamente. Ele me mandou chupar logo, que queria me ver colocando o pau dele na boca o máximo que eu conseguiria olhando pra ele. Prontamente obedeci. Naquele momento eu faria qualquer coisa que ele mandasse.

Engoli a cabeça e fui descendo, lábios e língua tocando-o o máximo possível. Engoli até onde consegui. Comecei um vai e vem lento, para sentir cm por cm do pau dele na minha boca. E ele ficando cada vez mais duro. Fui aumentando a velocidade, usando uma mão para me ajudar. Comecei a ouvir ele gemendo e fui ficando cada vez mais excitada por dar prazer a um cara tão delicioso. Volto a me segurar pelos cabelos e começou a forçar o pau na minha boca. Era como se ele estivesse me fodendo pela boca, e eu o sentia até minha garganta. Engasguei. Segurei ele pelas pernas e ele entendeu que deveria diminuir o ritmo.

Continuei chupando, cada vez mais rápido, ouvindo ele gemer e dizer o quanto minha boca era gostosa. Me segurou novamente pelos cabelos e anunciou que gozaria. Não parei e senti seu leitinho quente invadindo minha boca. Engoli tudo, sem deixar escorrer nem uma gota , e ainda deixei ele todo limpinho depois.

Levantei, ele me beijou, virei as costas e fui embora. Ainda deu tempo de ouvir ele falando antes de fechar a porta que era para eu voltar sempre que precisasse de açúcar ou leite. Eu com certeza voltaria, querendo muito mais que apenas leite.

Share:
Written by Doce Veneno
O "Meu Doce Veneno" é um blog voltado para o mundo da sexualidade, com temas variados, desde contos eróticos, até posts sobre saúde. Com uma linguagem que fala diretamente com o leitor para aproximá-lo do/a autor/a, como uma conversa com um amigo íntimo. Vem pra mostrar que sexo não é mais tabu e que deve ser abordado de forma natural, pois todo mundo gosta, e todo mundo faz, e principalmente, todo mundo gosta de falar sobre isso. Compartilhar experiências, informações, ensinar e aprender.